Novidades

Poemas, por Marco Antônio















Poemas, pelo escritor convidado: 


Marco Antonio.








Para mais trabalhos do autor, acessem "A Garganta da Serpente"








ESPACO ÚTIL



há de se repensar
uma sala living                              para este diálogo

           
                                                      (este dia logo acaba
                                                      na imagem do hall)


de se repensar um
espaço maior                                neste lavabo


para que este diálogo de gritos e sombras inventadas
possa em cada agressão verbal


circular todos os cômodos
como um fio de espuma              entre seus orificios


ORGASMO







teus braços





os corpos suados





ilhados nus






sem cabaço





virtude escancarada





amantes ácidos






luas de álcool embebedam-nos de estrelas






não sei se gozo permanentemente em teu cio





            ou se me encolho no teu ventre






                                    tenho agora





                                    o rosto cortado em tuas pernas





                                    e pentelhos espalhados nos





                                    hemisférios do quarto






                                    somos tipo medialuz





                                    sob chibata





                                    neste País violáceo





                                    onde se bebe a lama dos        





                                    sapatos






Evoé Baco





brinda-se  cumpra-se o orgasmo




 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
SANGUE LATRINO






(l)






minha presença corre nas veias córregos de esgoto





escorrida de terra esta terra nos meus pés de cimen





to fronteirisso inventando rastros poéticos no mast





ro da massa do cérebro (e me danificando) finco v





eios e vínculos no centro esférico (ou   meramente





paralelos) do prisma pensante-energético-ético; m





ergulho gulho seu liquido brilho-gelatinoso e da f





ace decompositória bruta surge um processo intert





extual de imposto editorial que morre no bolso cif





rário do próximo então que se diga que por si só  o





TEXTO





             inflamatório resoluto e decadente





             comprime-se dentro e profundamente





             cauterizado no sangue da lira





                                                      BRASILIENSES






destilando palavras em larvas de gente





                                      levas de gente





                                      do Anhangabaú ao Oiapoque





                                      ao Chauí






                                      um traçado de parábolas





                                      poéticas monetárias





                                      custeando a vida






na razão proporcional de tantas urinas






acentuadas pelas manhãs





acetinadas manhãs assolando meu País






(ll)






minha presença paisística  tropical





na miséria séria e comprometida





sombra e miséria aglutinadas





de censo registrado no poema





visceragudo (de vidro-estilete)






                         o duplo corte





                         POVOAMÉRICA





                         de veias latinas





                         SANGUE LATRINO






ponderadamente me nego a este País






masturbadamente contudo





                             com povo e





                             tudo ovo e





                             todo pão e





                             salário






                             registra-se





                             O POEMA LATRINO      





-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 

CONSIDERAÇÕES GENÉTICAS SOBRE





ESTADO POÉTICO E





OU PSICOSUICIDIO







MÃE DOS CÉUS





beijo brejo de todos os tolos





eu o outro levito do chão – oh, minha bela





puta vida





pernas no asfalto esperando o próximo





ônibus





o que há a te oferecer, mulher, além de fel





pus sangue e dejeto?





quarenta e seis cromossomos?





fumos de corda sexo cordão de prata?





                                                   meu esperma?





                                                   NADA






nos jardins de minha infância





repletos de calendários diários





e fotos de mulheres nuas





de Ivete nem me lembro





de bicicleta só o cheiro de pão e chiclete





se fui traído foi distraído pelo forte odor





das lembranças queimadas, muitas,





como das formigas comidas, dos cigarros engolidos





                                        e paixões engasgadas






MÃE DOS CÉUS





agora o dente caído já não tem mais a ver





com as putas conhecidas





ou os cavalos errantes






estas velhas coisas trabalhadas





                               agonizantes





são-me agora fosseis





porões de beleza pura defuntada





e eu, o outro





oh, minha bela puta vida cansada

*
Crédito da imagem:
Face Negra, por Wellington Souza


Nenhum comentário