Novidades

Jefferson Nepomuceno




por Aline Carreiro
Museóloga 
Corem 2ª reg. 0766-I 


Niterói, 28 de outubro de 2010

Comentário sobre o artista JEFFERSON NEPOMUCENO para o site Benfazeja.com de Literatura

Jovem talentoso e exímio desenhista, Jefferson Nepomuceno (RJ – 1980), iniciou seus estudos na Escola de Belas Artes na Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, com apenas dezesseis anos. Com uma personalidade prodigiosa e marcante que o difere dos demais, “Jeff”, como é chamado pelos mais íntimos, tem a arte nas veias e diz que não poderia exercer outra profissão. Com sensibilidade e estudos apurados, a qualidade de sua produção artística tem se desenvolvido rapidamente nos últimos anos. Ilustrador, designer, gravador, desenhista, caricaturista, Nepomuceno não se preocupa com a definição de sua profissão:

“Acabei por tecnicamente ficando mais próximo do que o mundo entende por "ilustrador" ou artista gráfico do que pelo que entendem de "artista plástico", ainda que eu veja essa diferença de semântica como uma grande besteira. Mas fato que eu busco muito mais, hoje, o campo editorial que o circuito de galerias, estas pretendo entrar, mas não é meu primeiro alvo atualmente”.

Do cartunista e caricaturista inglês Ralph Steadman (1936), de Saul Steinberg (1914-1999) e de seu mestre e amigo Adir Botelho (1932), Nepomuceno traz as influências em suas obras caracterizadas pelos traços firmes, pelas figuras expressionistas e pela habilidade comunicativa e criativa com que apresenta suas idéias.

“Sempre entendi a ilustração como uma vertente muito mal entendida das artes plásticas, de uma forma aplicada a veículos que pudessem ser mais facilmente consumidos.”

Preocupado em materializar suas pesquisas no campo das artes, Nepomuceno produz obras de arte com conteúdo intelectual e primazias técnicas, características estas, primordiais na produção contemporânea de qualidade. Seus desenhos, produzidos no período em que trabalhava para o Jornal da UFRJ, demonstram um apurado questionamento político e de reflexão social, temas abordados neste exato momento, em que a 29ª Bienal de São Paulo resgata a política na arte, ou melhor, a política da arte.


Sites do artista:
Freela: Nepomuceno


Imagens selecionadas:
Benfazeja/ Flickr: Nepomuceno


Quarenta anos da proclamação dos direitos humanos
fotografia e manipulação digital - 60x42cm
atlas
grafite sobre papel – 60x42cm

carnavale
nanquim sobre papel – 30x21cm
madonna
litografia sobre papel – 60x42cm
me explica
nanquim sobre papel – 30x21cm

minha verdade sobre a imprensa
nanquim sobre papel – dimensão aproximada 60x42cm


13 comentários:

  1. Comentário bem escrito sobre o excelente desenhista.

    ResponderExcluir
  2. antonio sacramento6 de novembro de 2010 20:12

    muito bom esse cara e muito bem apresentado tbm!

    ResponderExcluir
  3. Pô esse cara é 10!!! Fiquei impressionado com seu traço, quanto sentimento. Existe contexto em suas figuras/criações. Parabéns.

    ResponderExcluir
  4. IMPRESSIONANTE O TRABALHO DO ARTISTA, ADOREI.

    ResponderExcluir
  5. Grande Jeff!!!Sempre um bom traço sem esquecer o pensamento sobre o desenho...Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Jeff, gente fina e ilustrador sagaz e afiado!

    ResponderExcluir
  7. Seja lá como queiram te chamar, ilustrador, pintor, artista plástico ou gráfico, há uma definicao com a qual todos hao de concordar: brilhante!
    Beijao. Leticia

    ResponderExcluir
  8. Adorei os trabalhos. Demosntram muita personalidade. Artista sem medo de errar!
    Espero ver seus trabalhos expostos em breve.

    ResponderExcluir
  9. claudio camelo soares10 de novembro de 2010 10:58

    Bons ventos de cultura! q bom ver uma ação apurada, sem uma certa mesmisse q toma conta!bom autor!

    ResponderExcluir
  10. Grande Jeff !!!

    Bom vê-lo publicando, mesmo sendo na internet.

    Abração amigo !

    Saúde sempre !!

    ResponderExcluir
  11. bom trabalho, editorial me parece, mas nao é óbvio, muito bom!

    ResponderExcluir
  12. pra onde a gente olha tem gent boa q nós nao conhecemos, quem é esse autor q nao vejo por ai? muito bom.

    antonio cerezer

    ResponderExcluir