Novidades

Travessia


Conto para a seção Fantásticos, por M Blannco*



     Sudoeste da França. La Montagne Noire
     (Meados do século XIV)

     VÄILLE        Fogo. Gritos. Carne humana queimada. Fedor de excrementos.
     Continuo correndo. Dos frades negros e de seus mercenários. Tão depressa quanto os pés machucados permitem. Preciso alcançar o abrigo subterrâneo da grande muralha _ La Montagne Noire.  Antes que a escolta armada me encontre.
     Nossos inimigos não conhecem o caminho. Buscam a passagem há centenas de anos sem sucesso. Meu povo, ou o que restou dele, refugiou-se no ventre da pedra quando a última fortaleza da fronteira caiu, profanada pelos bárbaros _ assassinos disfarçados de homens santos, a serviço do poder, que impunham sua fé através da espada.
     Novamente devo pedir socorro à montanha, esconder em seu regaço os pergaminhos antigos que herdei de meu pai. Minha família recebeu os escritos das mãos dos perfeitos, na retirada de Montségur. Antes que os sacerdotes e seus seguidores se lançassem às chamas entoando cânticos. Os pergaminhos indicam a localização do labirinto sob a terra e dos reservatórios de água. Lá, nossa gente escapou dos servos das trevas enquanto o mundo era varrido pela destruição. Mais uma vez o mundo está em perigo. A peste negra bateu à nossa porta, como o curandeiro disse que aconteceria. Espalhou-se como um incêndio.
     Ouço o pio agudo do pássaro negro e o rugido tronante do leão da noite. Eles me acompanham. São meus guias. Eu os chamei. Recitei as orações de meus antepassados e invoquei a proteção dos espíritos. E eles me enviaram o corvo e a fera. Confio em sua visão. Mas sei que não me podem defender, porque não são soldados, porque não pertencem a esta realidade. Dizem que estou perto, que a escuridão me protegerá.
     A solidão me traz lembranças. De meu pai e meu irmão, devorados pela enfermidade, atirados à pilha incandescente de corpos. Também vieram atrás de mim, vasculhando nossa casa com seus olhos injetados e cheios de ódio, imaginando que eu já teria sido levada pela morte. Mas eu estava viva, ainda. A poção do curandeiro, que revolve minhas entranhas e roubou meu paladar, emprestou a meu corpo um resto de energia vital.
     A massa de rocha vai definindo-se. Tudo está quieto. Não escuto o tropel das montarias ou as imprecações dos homens. A brisa leve parou de soprar, não sinto a presença de meus guias. Um instante de mistério.
     Não sei de onde veio ou como chegou, mas avisto o cavaleiro e sua besta alada. Eu não o conheço, mas ele não me é estranho, meu coração se alegra sem motivo. Suas roupas confundem-se com a noite, quebrada, a intervalos, por raios hesitantes de um luar esmaecido. Mal distingo o entorno, mas não me amedronto: conheço cada palmo desta terra.
     A negridão tampouco parece ser um obstáculo para o estrangeiro, pois se movimenta com firmeza até onde estou, inebriada por sua aparição. É muito alto, tem o porte altivo e elegante, ombros largos, pernas longas e flexíveis.  Desloca-se com a eficiência e a agilidade de um animal selvagem. Detém-se a poucos metros de mim, poderia tocá-lo. Mas é ele quem estende as mãos, metidas em mitenes de couro. A pelica fina e lustrosa veste seus dedos compridos e benfeitos como uma carícia.
     _ Vejo seu rosto, Väille _ fala, citando o nome somente conhecido por mim. Sua voz é sonora, profunda.
     Ele prende meus braços num aperto leve, aquecendo minha carne fria. _ Quem é você? _ pergunto. Pressinto o retorno da náusea e da vertigem. Mau presságio. Sinal de que o efeito da medicina do curandeiro esgota-se, e meu organismo não combaterá a doença por muito tempo. A peste mora em meu corpo. Engulo a saliva para afastar o mal-estar e o pânico. Aprumo o tronco. Resisto.  _ Não deveria estar aqui. Eles vêm atrás de mim e são muitos. Vão matá-lo.
     _ Não se preocupe. Ainda estão longe. E não precisa ter medo. Nada podem tirar de você _ ele diz.
     Nada que eu já não tenha perdido, claro.
     Estreito os olhos. Ele está semiencoberto pela sombra das árvores, mas eu o vejo por inteiro. É impressionante em sua beleza máscula, quase ostensiva, uma presença dominadora, do tipo que enlouquece as mulheres e intimida os homens. Os olhos verdes têm a cor das folhagens em dia de chuva, ferozes, cheios de paixão. Eu poderia ficar olhando para ele indefinidamente, suspensa no tempo. Vejo o medalhão.
     O cavaleiro sorri, como se lesse a minha alma. Não me sinto embaraçada, e ele não demonstra incomodar-se com minha avaliação minuciosa. 
     _ Você é bonito _ balbucio. Seus lábios se mexem, mas não distingo as palavras. Meus sentidos apurados começam a entorpecer-se. _ Quem o mandou?
     _ Você me chamou, Väille. Eu sou o pássaro e o leão. Não vou lhe fazer mal, prometo _ responde.
     _ Os escritos... devem ficar a salvo... eles... _ Meu tempo expira rapidamente. O pânico de novo.
     _ Eu a levarei comigo. Luc conhece o caminho.
     _ Luc... _ a criatura alada? Esquecera-me dela. O que era aquilo, um lagarto gigantesco com asas? _ De onde vem? _ questiono. Meu corpo treme, noto o suor gelado empapando a nuca, escorrendo pela espinha.
     _ De nenhum lugar nesta era _ explica. _ Eu e meus irmãos vivemos num tempo distante, nas fronteiras do Universo. Andamos entre os humanos quando nossa intervenção é necessária.
     Não compreendo.
     Minha respiração torna-se irregular, difícil, as roupas colam-se à pele, sinto frio, fome. A febre. Os joelhos falham. Seus braços me amparam. Aconchega-me a seu peito e me carrega sem pressa. Deposita meu corpo contra um tronco retorcido e acomoda-se à minha frente. Alisa meu cabelo úmido e emaranhado, afaga meu rosto. Como um amante apaixonado faria. Paixão. Há muita paixão nele. É um sentimento que me comove, porque eu só conheci o medo e a incerteza, o desespero e a morte.
     _ Descanse _ ordena, puxando o cantil da cintura e encostando-o em meus lábios ressecados.
     _ Não deve, estou doente _ retruco.
     Ele ignora meus protestos e derrama a água em minha boca. Senta-se ao meu lado, estica as pernas. O cheiro dele é bom, mistura de tabaco e especiarias raras, masculino, exótico. Inspiro com vontade. Para reter o aroma na memória. Através do contato próximo, percebo a musculatura rija como uma parede de aço. Eu teria delírios românticos com ele, se esse fosse meu temperamento, mas tenho natureza de guerreiro, meu pai dizia. Cerro as pálpebras. O mal-estar vai desaparecendo. Outro sinal _ quando a dor vai embora, o corpo desistiu de lutar. Apego-me ao ritmo de seus batimentos cardíacos, constantes, hipnóticos, a única coisa real ali. Ele envolve meus ombros num abraço. Sinto-me conectada a algo infinito e belo, algo que jamais experimentei. Meu coração vive sobressaltado. Sim, eu poderia amar alguém como ele, se eu tivesse conhecido esse tipo de amor, se tivesse tido tempo. Sou jovem demais e estou morrendo. Melhor assim, não saberia como envelhecer naquele mundo.
     _ Vejo seu coração, Väille _ ele interrompe o silêncio. _ Eu também poderia amar você.
      Pressinto a chegada do anjo da morte e de seu hálito de gelo. Nunca me permiti desistir, mas estou exausta, sem forças. Entrego-me ao torpor. Sem pânico.  A fome é voraz agora. Não posso evitar o riso convulsivo, histérico. Então, tudo se apagou. A noite, o perfume dele, o frio, eu.


     Sistema Estelar de Yx-Gaalateia. Luas de Zhayne. Mardras
     (Ano 2.500. Quinta era)

     TRISTAN        Väille estava morta. Não havia nada a fazer. A doença devastara seu corpo e vergara seu espírito. Tampouco pude aliviar seu sofrimento. Meus conhecimentos de nada serviriam, cheguei tarde. E nenhum alimento saciaria sua fome, porque seu estômago não funcionava mais. Fiquei vendo-a adormecer, contemplando o rosto lívido e magro, tão estranho e delicado. Senti uma imensa dor. Não sei dizer quantas horas permaneci na floresta. Despertei com o grunhido de Luc, avisando que os soldados se acercavam.
     Peguei a bolsa que pendia da cintura de Väille e parti nas costas de meu amigo, antes que o portal se fechasse definitivamente, aprisionando-me. Não traí a mulher que amava, porque os escritos ficariam mais seguros conosco. Os mortais não estavam preparados para o conhecimento.
     Não ouvi os passos, nem notei sua presença. Minha atenção e meus sentidos estavam presos ao passado, a uma história que nunca existiu, a um sentimento de perda que eu não desejava abrigar em meu coração.
     _Tristan _ a voz cristalina e musical de Alissa,  minha irmã.
     Virei-me e abri os braços para recebê-la. Apertei seu corpo contra o meu como se fosse a última vez que a via, como um náufrago.
     _ Tristan... Está tudo bem? _ Os olhos astutos tinham uma expressão inquisitiva. _ O que aconteceu de verdade quando esteve fora?
     Engoli a saliva para afastar o nó na garganta. Não queria preocupá-la. Mas Alissa podia ver tudo que se passava em mim, ou em qualquer um. Tinha o dom da visão, uma dádiva muito venerada em nosso mundo, somente concedida aos puros de alma, aos perfeitos.
     _ Fale comigo, meu irmão _ insistiu.
     _ Não há o que contar, nada que você não saiba _ respondi, sem muita certeza. Porque eu podia fechar minha mente, se quisesse. Alissa me ensinara como fazer. _ Recuperei os pergaminhos e encontrei o mensageiro, é tudo _ concluí.
     _ Väille era o mensageiro. _  Ela ficou em silêncio, os olhos fixos nos meus.
     Senti um golpe no peito. _ Eu poderia resgatá-la. Ela não merecia morrer daquele jeito.
     _ Não estava escrito que ficaria com ela. Não podemos interferir dessa maneira, nem alterar a história.
     Então, por que eu sentia tanta dor? Por que não conseguia expulsar seu rosto da memória? Alissa me abraçou, recostou a cabeça em meu pescoço. As estrelas gêmeas levantavam-se sobre a Cidade Flutuante _ Mardras _, principal núcleo populacional do quadrante sul. Os imponentes edifícios pairavam sobre o oceano vermelho, indiferentes ao rugido das ondas e às tempestades da estação quente. Era uma região indomada, mas de uma beleza arrebatadora, instigante. Por isso, Alissa a escolhera. Ela precisava da tormenta para aplacar a própria fúria.
     Eu não podia negar que a alvorada em Mardras era de tirar o fôlego, mas certamente preferia estar numa das fazendas produtivas, com os pés em terra firme. Imaginei como Väille se sentiria aqui, em meu mundo, admirando a paisagem de linhas curvas e arrojadas através do painel de cristal. O mar revolto.
     _ Está sorrindo, Tristan? _ Alissa perguntou. _ Sim, ela vai gostar daqui. _ completou.
     Inspirei o ar fresco que entrava pelos dutos de ventilação, cheiro de mar, sal, chuva. _ Quero estar com ela para sempre, Alissa. Eu a amo. Amei sempre, desde que vi a pintura. _ Hesitei. _ Pode vê-la em meu futuro?
     Alisa se afastou um pouco, as mãos em meus ombros.
     _ Sim. Eu posso. Vocês se encontrarão novamente. Väille vai nascer com os sinais de nossa raça e... será muito linda.
     _ Ela sempre foi linda.
     Alissa sorriu. _ Ela voltará para você, Tristan. Atravessará o esquecimento e a névoa por você. Muitas luas se passarão no mundo dos humanos, um tempo infindo para nós. Vai esperar?
     _ Sabe a resposta. _ Sim, ela sabia.
     _ Estou com inveja. Quero um macho como você em minha vida. Acha que consigo?
     _ Não estou bem certo, você é muito arrogante e muito exigente com nosso sexo. _ Mal contive o riso. Alissa jamais pertenceria a ninguém.
     _ Você é detestável, Tristan, sabe disso, não sabe? Não entendo como essa fêmea humana se apaixonou por você, realmente não entendo _ bufou, virando-me as costas e saindo em direção à ala inferior.
     _ Também amo você, Alissa! _ gritei, rindo. _ Alimente Luc. Deve estar faminto.
     _ Vá se danar, Tristan!
     Agarrei o medalhão em meu pescoço _ insígnia de minha estirpe _ e invoquei os espíritos. Na língua sagrada. Pedi que conduzissem Väille pela terra das sombras enquanto estivesse longe. Que a trouxessem para mim.
     Väille.


* M Blannco mora no Rio de Janeiro, é louca por livros e escreve desde criança. Filha de imigrantes, herdou dos pais o amor pelos livros e pelas letras. Já publicou vários contos e tem um blog onde posta alguns de seus trabalhos de ficção:

Para  ver o blog da autora clique aqui
Email:
mblannco@ymail.com


*
Créditos da imagem: J. W. W. Waterhouse


Para ler mais textos desta seção, clique aqui.

6 comentários:

  1. Parabéns pelo belíssimo conto, M! Abraços. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Celly, pelo espaço e pela divulgação. A imagem ficou lindíssima, tão romântica. Adorei. Pode me convidar sempre (rsr).
    Obrigada a você também Cacá, pelo comentário e carinho. Beijo grande aos dois.
    Maya.

    ResponderExcluir
  3. Conheço seu blog, Maya e li seu conto Noite de Prata no blog do André. Garota, você tem um mega talento. Quando vai se decidir a escrever um livro, hem? Dê esse prazer a seus leitores. Acredite, você já tem uma legião de fãs. Abraço grande.

    ResponderExcluir
  4. Sensacional, maya. Escreves muito bem. Quero encontrar teus contos mais vezes aqui. Beijos para ti.
    Gustavo Henriques.

    ResponderExcluir
  5. Bom te ver por aqui, menina. A história me emocionou. Está de parabéns. Torço pra ler muitas coisas mais escritas por vc. Bjo da Silvana.

    ResponderExcluir
  6. Curto demais tuas histórias. Está na hora de sair o livro. Bjk.

    ResponderExcluir