I Concurso Literário Benfazeja
em torno do que amamos: livros e literatura

PoeSZeja 6 - Tempo



Não são bem elogios, críticas ou constatações filosóficas sobre do tempo. São poemas. O tema é apenas um espelho que os poetas utilizam para se maquiarem (talvez se camuflarem dentro do texto). E o poema, físico e grafado, é esse reflexo congelado e exposto em praça pública. Neste mês, apresentamos uma homem se preparando para o aniversário do irmão; duas mulheres confabulando no banheiro, talvez em uma festa de casamento; e um homem jogado no dia, olhando fixo em seus próprios olhos e em monólogo com quem é, com que foi e com quem gostaria de ser.




Boa leitura!!

Wellington Souza
Coordenador da seção

Para participar da seção, acesse informações aqui.



Tudo acaba em poesia
por Cacá

Poesia para mim depende do dia.
Nem sempre
Tem que rimar com alegria.
Nem com euforia.
Fantasia.
Às vezes é nostalgia
Outras, sintonia
Muitas delas, melancolia
No mais das vezes,
Pura idiossincrasia.

(A Paulo Adão, meu irmão que aniversaria hoje e está lançando brevemente um livro de poesias com o mesmo título destes versos)

*

Tempo, tempo, tempo
Por Cláudia Banegas e Mariana Collares

@Cláudia diz:

Tempo passa, passatempo
É hora de sair dali, ir embora,
cair fora, buscar aventuras em outro lugar.
Lembrar o passado, fadado,
o presente, e seguindo em frente,
encarar o futuro, seguro.
De si. Por si.
Comemorar.
Alegria, alegria, chega de chorar!
O luto jaz na terra, no pó do chão batido
No rosto, um sorriso.
A semente vai brotar!
Viva a vida! O amor! O ato de recomeçar!


@Mariana diz:

Passa o tempo, tempo passa
Tudo na vida arrefece
Vida breve, breve vida,
Tudo passa e se esquece...
Que bom que no bom da vida
A memória seja algo que interesse
Ao jovem ao velho ao menino-criança
A tudo quanto vive e pese - pois sem ela o viver
Dói de menos,
mas também pouco enaltece.


@Cláudia diz:

Tempo passa
Passatempo
Vida embaça
Doce momento

Ir embora, ir agora
Cair fora deste centro
Quero tanto, toda hora
Resignada, caio dentro

Passado fadado,
Presente demente
Futuro abafado
Tempo doente

Hoje viver o dia
Amanhã, comemorar
Alegria, alegria,
chega de chorar!

O luto jaz na terra, no pó do chão batido
Calor nasce no peito, semente vai brotar
No rosto um sorriso, franco aviso
Viva a vida! O amor! O ato de recomeçar!

...

@Mariana diz:

O tempo sempre sabe o lugar de cada coisa. E coloca todas as pessoas no seu devido lugar.


*
30 segundos
Marco Antonio

Preciso tomar cuidado com as palavras
Mesmo que estejam no limite de 30 segundos
Mesmo que o equilíbrio esteja na gangorra
E que a tensão ultrapasse 220
Eu não sei quanto tempo isto vai durar
E se o tempo se encarrega dos acontecimentos
Eu não sei nada e fico ansioso
Sou mesmo um garoto em rota lunar
Um silêncio de animal faminto
Sou êxtase e não sei mais conter isto em mim
Sou em 30 segundos o estopim

*

Para ler mais poemas dessa seção, clique aqui


Créditos da imagem:

2 comentários:

  1. O conjunto de poemas, lidos um após o outro, formou um longo poema, com ritmo e entonação, como se estivéssemos em uma roda gigante, girando com os cabelos ao vento e as imagens distorcidas pelo tempo!
    Abraços aos criadores! Carolina

    ResponderExcluir
  2. Bom dia!

    Encontrei seu blog n Semnetinhas da Chica!

    Estou olhando, navegando por tudo!

    Eu volto com calma e ai sim, dar a atenção merecida!

    Forte abraço e um ótimo dia!

    ResponderExcluir