Novidades

Marca a página e fecha o livro


Conto, por Wellington Souza

"Queria olhar o sol da tarde quente, mas ele está sobre as nuvens."

Senta-se e abre o livro.

“............... ......... ..................... ............... . ........ ...... . . .... .. ... ...... ........ ...... .............. . . .... ... ... .......... ........ ...... .. ... ... .... .......... . .. ......... ........ ........ .. ... ......... ......... ......... ......... ...... .. ....... ....... ..... .. ... .... ...... ...... ... ........ ......... ......... .... ........ .... ....... ........ .... ... .......... ... ........ ....... ........ ........ .. ....... ......... ..... ...

- ..... . . ...... .... ... ... ....... ..... ...... ...... ..... ...... ......?

- ....... .... ....!

....... ....... ... ..... ......... .......... ...... .... .......... ...... ..... ... ....... ....... .......... ........ ..... ... ........ ....... ........ ....... ... ........ .... ......... ....... ........ ....... ........ ....... ........ ............. ... ... ......... .... .. ........ ........... .... .......... .... ............ .... ............. ...... .......... ...... ... ............ .... ........... ..... ......... ......... ... ........ .... .......... ..... ......... ...... ........ ....... ..... ....... ...... ..... ........ ... .......”



Marca a página e fecha o livro.

Sai do quarto, atravessa a sala até a cozinha, enche um copo com água da torneira. Agora pouco importam as impurezas e precipitados. Na mesa de centro da sala havia ainda quinze, dos vinte Diazepans da cartela. Leva mais um à boca, seguido de um gole de água; mais um e outro gole, mais um e outro gole, mais um e outro gole, mais um e outro gole, por fim o derradeiro e devolve o copo à mesinha. Conta 3:23 horas no relógio de ponteiro.Volta à escrivaninha, senta e coloca café, que está forte, sem açúcar e não mais quente, na caneca de louça. Bebe de uma só vez. Escreve: “Já no avião/ sem volta e aflito/ olha para os lados/e seus colegas pularam/ e agora é a sua vez./ Pula./ é mágico o vôo liberto/ o forte vento é mágico/ o mundo, enfim sob ele/ é mágico./ Puxa a corda do pára-quedas:/ Da sua mochila saem panelas/ talheres/ conchas/ toalha de mesa/ cesta de piquenique/ um botijão de gás pequeno./ Atônito,/ele olha para o desenhista!”. Sente uma tontura, de onde sai o título: “Morte animada”.

Deixa de lado o rascunho. Abre o livro, não consegue focar as palavras com clareza. Mesmo assim segue lendo.

“..... .... ........ ..... ..... ... ..... ...... .... . ........ ...... . . .... .. ... ...... ........ ...... .............. . . .... ... ... .......... ........ ...... .. ... ... .... .......... . .... ..... ... .......... ... ........ ....... ........ ........ .. ... ... .. ..... ...... ...... ..... ... ........ ..... ... .. ...... ... .... .......... . .... ..... ... . ............ ........... ... .. ......... ..... ........ .. .. ....... .. .... ......... .... .... ..... ..... ...

.... ........ .... ....... ........ .... ... .......... ... ........ ....... ........ ........ .. ....... ......... ..... ... . ....... ........ ............. ... ... ... ...... .... .. ........ ........... ....

.......... .... ............ .... ............. ...... .......... ...... ... ............ .... ........... ..... ..... ...... ....... ..... ....... ...... ..... .. ...... .... ..... .... ... ... ....... ..... .. ...... ..... . .... ..... ... ... ....... ... ........ ....... ........ ........ .. ... ... .. ..... ...... ...... ..... ... ........ ..... ... .. ...... ... .... .......... . ....”

Suas pestanas estão pesadas. Não agüenta mais o sono, para não dizer o efeito da droga. Marca a página e fecha o livro. Tenta levantar-se. Apóia na escrivaninha, mas seus braços logo cedem ao peso do corpo. O direito se flexiona batendo o cotovelo e desliza, deixando o rascunho, canetas e lapiseira caírem no chão. Bate a testa na madeira, mas o impacto é leve. Volta a sentar, já sem forças no corpo, inerte. Tenta respirar, mas encontra dificuldades. Abre a boca e um filete de baba mancha o livro. Está ofegante, como que se afogando no ar.

Pensa em tomar a última dose para remediar o fim da tortura. Levanta abruptamente e cambaleia até a cama, onde o tronco e os membros superiores conseguem chegar, mas os inferiores não. Desmaia, então, com metade do corpo na cama e um braço, o resto está ou suspenso ou no chão.

Sem animação, passará nessa posição quase dois dias.

Acorda numa tarde que não reconhece, com dúvidas sobre sua identidade e seu meio. Forte dor de cabeça e de barriga. Deita na cama e olha para o teto. Nada lhe vem à cabeça. Calcula se conseguirá andar, mexendo a perna. Senta-se e vê uma mancha de saliva na cama. Levanta escorando nas paredes e escorado chega até a cozinha. Prepara um copo de água com sal e segue, assim, até o banheiro. Bebe a água e vomita uma bile amarela, seguido de muitas tentativas que só fazem barulho, mas nada evacuam. Olha o espelho e encara uns outros olhos fúnebres.

Com o pulso bate no espelho, mas sua estrutura está fraca como seu espírito sempre foi. Concentra-se. Inclina o corpo para trás e bate com mais força. Quebra. O machucado no pulso é superficial. Ao arrancar um caco do espelho quebrado fere o dedo. Pega a lasca de espelho e corta um pulso, troca a lasca de mão e faz um corte mais profundo no outro. Perfura novamente o primeiro, já com dificuldades. O sangue tinge parte do banheiro.

Caminha cambaleando até a janela da sala, onde ajoelha e se apóia, deixando os braços para fora. Repousa a cabeça no parapeito. O sangue escorre pelas mãos, pinga lá em baixo onde formará uma pequena poça.

Queria olhar o sol da tarde quente, mas ele está sobre as nuvens.

Inspira. Enfim, não sente mais medo da vida.

*

Créditos da imagem:
dos livros, por Mona Lisa Locks

Um comentário:

  1. Excelente, Well. Estrutura narrativa, suspense, descrição, linguagem... impecável! Não há nenhum problema com o final triste, desde que seja verossímil com o desenrolar do enredo. E o seu final é bem verossímil, pois já se anunciava um suicídio antes. Fiquei pensando apenas que o momento em que o personagem acorda com dúvidas sobre a sua identidade e seu meio é bastante sugestivo e daria um bom outro final... (um jogo com a vida e a morte. Estaria vivo ou morto?) Excelente o recurso dos pontos para indicar a leitura (semelhante ao Tristan Shandy e ao Memórias Póstumas do Machado). Gostei muito também do trecho escrito pelo personagem. Parabéns! Abraços

    ResponderExcluir