Novidades

A ausência



Crônica, por Mariana Collares.



A ausência é rigorosa com a verdade.



A ausência é o nada . É o espaço vazio. É a falta de toque, de fala, de gesto.

A ausência não dá oportunidade à ilusão ou ao sonho. Ela não compactua com a esperança. Porque a esperança precisa de algo pra ser. E a ausência existe no não-ser. É algo que não está. Que não veio. Que foi ou que não voltou.

A ausência é o presente dizendo que o tempo está passando. São as horas contínuas, num descontínuo transitar da memória.

A ausência não ama. A ausência não faz saber. A ausência não diz. A ausência só se exprime em ser ausência.

A ausência não é saudade. Saudade é a presença. Saudade procura. Saudade vem logo. Saudade volta sempre.

Ausência é o andar infinito de uma estrada reta, num único sentido. Depois vem o vento. A ausência se torna pó. Memória finda. Esquecimento. Ausência se foi. Ausência nunca mais voltou. Ausência virou presença de algo que então veio, e ocupou todos os espaços. E então da ausência só se lembra o nome. E não mais que um ou outro detalhe totalmente sem importância.


*

Créditos da imagem:
Balanço, por Murilo Martins

4 comentários:

  1. O que equivale ao abandono. Não encontra redenção em nada, nem em em teoria nem em realidade e é muito cruel. Bela prosa, Mariana! Abraços. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Cacá! Sempre bem-vindos os teus comentários! Super beijo!

    ResponderExcluir
  3. Bela crônica que aborda um sentimento tão humano. Bjs, Mariana.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, Ianê! Fico feliz que tenhas gostado. Abraços! =)

    ResponderExcluir