Novidades

O Amor Tem Prazo de Validade?



Conto, por Marcelo Sousa.


As pessoas, por mais modernas que se achem, continuam carregando o dogma do "até que a morte os separe", o que pra mim não é mais um ideal romântico, mas uma maldição dissimulada sob um atavismo que carregamos desde a Idade Média, quando era pecado separar-se, não porque isso fosse ruim para os casados, mas sobretudo porque era ruim para as famílias, que teriam que receber de volta "mais uma boca", da qual eles haviam se livrado e comemorado!

Sempre acho que o namoro, o casamento, enfim, a idéia de romance, como tudo na vida tem um começo, um meio e um fim. E não existe fórmula para calcular o tempo entre uma e outra coisa. Pode durar uma semana, ou pode durar até que um dois dois morra, ou pode até passar disso! O romance pode durar anos, décadas, mesmo depois que o tesão terminar. E o contrário também é verdade: o romance acaba, a gente perde a paciência pra ficar paparicando, pra fingir que gosta da família do outro, que não liga para o fato dele (ou dela) não saber cozinhar, de falar errado na frente dos seus amigos com PhD... enfim, o romance broxou, mas o tesão continua. Ela (ou ele) pode ser uma porcaria de esposa (marido) mas na cama a equação se resolve e isso, pra você, é mais que suficiente pra manter o 'status quo' daquela relação. Vamos ser francos, chega um momento em que a gente pesa os prós e os contras de todo amor. É como dizer ao coração que ele não tem sido um bom administrador do negócio e que daquele dia em diante o cérebro tomaria conta das coisas. E o coração aceita numa boa, ele fica sendo uma espécie de "presidente de honra" daquela empresa, você sabe como é: tem toda a dignidade, mas já não manda nada!

É horrível quando nossos amigos nos olham com aquela cara de pena quando dizemos que um relacionamento acabou. Mas na maioria das vezes a culpa é nossa! Se acabou, é porque não dava mais certo, porque enquanto está dando certo ninguém é louco de terminar; é a velha história de não mexer em time que está ganhando! Mas se as coisas não estão indo bem em alguma parte daquele relacionamento, natural que termine, mas é certo que vai haver choro, drama, e na maioria das vezes não é porque estamos desesperados sem saber viver sem o outro. Não mesmo. A gente sofre porque é de praxe sofrer um pouco, andar por aí cabisbaixo mostrando ao mundo que você tem sentimentos, que está triste por ter terminado. Difícil é alguém sair de um relacionamento falido e ir comemorar com os amigos, dar uma festa para o funeral do defunto!

Mas eu acho que deveria ser assim mesmo, as pessoas, ao terminar um relacionamento, deveriam chamar os amigos para um bom restaurante e celebrar, porque estão terminando algo que não estava fazendo bem aos dois (ou a um deles) e estão partindo para uma nova vida, quem nem sempre exclui o outro. Aliás, algumas vezes a gente tem que se separar e andar sozinho por aí pra deixar o cérebro contar pro seu coração que, após analisar friamente a situação, o conselho é voltar pra ele ou pra ela, é voltar àquele relacionamento sabendo que o motivo de não ter dado certo pode ter sido um erro de julgamento, ou o que é mais certo: os motivos que nos separam são os mesmos que quase sempre separam outros casais!

A parte boa dessa história é que você pode ter vários amores ao longo da sua existência. E pasmem: você pode sim amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo! A gente aprende a amar pai e mãe ao mesmo tempo e igualmente, depois amamos nossos amigos da mesma forma, e amamos nossos filhos sem escolher um preferido, porque cada um deles tem uma coisa que você adora! Entre homem e mulher é a mesma coisa! Você tem a sua magrelinha linda em casa (ou o seu carequinha barrigudinho) mas e se, por um milagre, a Gisele Bundchen (ou o George Clooney) quisessem você por uma noite apenas? Você diria não a eles? Olhe para o seu marido ou esposa agora mesmo, pense na hipótese, e me responda sinceramente! Rs rs rs... Algumas coisas tem a ver com amor, outras com sexo. Se você não vê diferença entre eles, você deve saber muito sobre um e nada sobre o outro! Algumas vezes eles andam juntos, mas quase sempre estão separados. A parte boa é quando, mesmo separando essas coisas, você as encontra na mesma pessoa! É o máximo, mas confesso que é raro! Ou melhor, isso vai se diluindo com o tempo, e parece que um vai crescendo na medida em que o outro vai se apagando. Normal, nós sofremos as pressões do mundo, temos contas a pagar, nós nos cansamos, nós envelhecemos. Ninguém tem o mesmo pique para "dar três por dia, todos os dias" durante anos seguidos.

O Arnaldo Jabor disse muito bem sobre isso: "Não acredito em pessoas que se complementam. Acredito em pessoas que se somam. Às vezes você não consegue nem dar cem por cento de você para você mesmo, como cobrar cem por cento do outro? E não temos essa coisa completa. Às vezes ela é fiel, mas é devagar na cama. Às vezes ele é carinhoso, mas não é fiel. Às vezes ele é atencioso, mas não é trabalhador. Às vezes ela é muito bonita, mas não é sensível. Tudo junto, não vamos encontrar. Perceba qual o aspecto mais importante para você e invista nele. Pele é um bicho traiçoeiro. Quando você tem pele com alguém, pode ser o papai com mamãe mais básico que é uma delícia. E às vezes você tem aquele sexo acrobata, mas que não te impressiona... Acho que o beijo é importante... e se o beijo bate... se joga... se não bate... mais um Martini, por favor... e vá dar uma volta. Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra. O outro tem o direito de não te querer. Não brigue, não ligue, não dê pití. Se a pessoa tá com dúvidas, problema dela, cabe a você esperar... ou não. Existe gente que precisa da ausência para querer a presença. O ser humano não é absoluto. Ele titubeia, tem dúvidas e medos, mas se a pessoa REALMENTE gostar, ela volta. Nada de drama. Que graça tem alguém do seu lado sob pressão? O legal é alguém que está com você, só por você. E vice-versa. Não fique com alguém por pena. Ou por medo da solidão. Nascemos sós. Morremos sós. Nosso pensamento é nosso, não é compartilhado. E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua, seu olhar, seu pensamento." O Jabor sabe das coisas!

Eu mesmo me apaixono umas sete vezes por dia, e depois esqueço. Sou poeta e isso é intrínseco à minha alma. Quero sempre estar admirando, fotografando a vida com meus olhos atônitos a descobrir em pequenos detalhes aquilo que a multidão não percebeu antes. E é claro que também quero o romance maior, a mulher perfeita, o mundo cor-de-rosa (ou azul) de que tanto falam por aí! E tenho certeza de que já encontrei a perfeição algumas vezes. Duas ou três vezes na minha vida acreditei solenemente que havia chegado no momento do "viveram felizes para sempre", mas em algum momento desse percurso as coisas não deram certo, na maioria das vezes por culpa minha, mas não me arrependo, porque o segredo daquela felicidade foi ter tentado alcançá-la e não ficar acomodado esperando ela chegar. E as pessoas que eu amei não sumiram, não foram deletadas simplesmente porque não deu certo. Elas andam por aí, topam comigo na rua, passam por mim com seus novos amores, com seus filhos, olham-me com pena por ainda estar sozinho, outras olham com raiva porque não aprenderam a tratar dentro delas mesmas aquelas feridas, outras devem até olhar com remorso ou com saudades, e até comparando o que elas tem hoje com o que tinham antes, analisando se ganharam ou perderam... e com medo ou orgulho da resposta! Ainda amo a todas, e estarão sempre guardadas comigo. Ainda estão em alguma gaveta dentro de mim. E tem gavetas que a gente abre todos os dias e há outras que a gente tranca e joga a chave fora. Você não vê o que tem dentro, mas sabe exatamente o que é!

Crescer e amadurecer tem dessas coisas, você precisa quebrar a cara milhares de vezes, mas chega um hora em que você aprende e tudo fica menos complicado. Você dá valor a um toque, um olhar, um chocolate, e ninguém precisa dizer "eu te amo" no primeiro encontro. Aliás, ninguém deveria precisar dizer isso nunca, porque dizer simplesmente não significa nada! E também não é preciso ficar complexado só porque você só quer transar! Transar é bom! Se os dois querem e são maduros o suficiente para saber que um jantar romântico pode ser apenas um bom aperitivo para um sexo maravilhoso e sem mais compromissos, ótimo! E se os dois decidirem que aquilo é bom demais e que querem repetir indefinidamente, melhor ainda! E o segredo é esse: a maioria dos casamentos realmente duradouros começam assim, sem compromisso! Um belo dias os dois acordam na mesma cama, e não é mais uma cama de motel: é a cama do casal! E descobrem como é bom acordar juntos e não precisar sair correndo cada um para sua casa, cada um para sua vida. Como é bom aquele sexo da manhã cedinho, com o sol espiando pelas cortinas da janela e os passarinhos sorrindo curiosos nos galhos das árvores lá fora.

E conviver não é fácil, e não garante nada! Pode ser lindo no começo e continuar lindo pra sempre. Mas cuidado com esse "pra sempre" porque ele engana a gente. Você vai amar, odiar, chorar, sorrir, passar dificuldades, passar alegrias, e tudo

Romance é um bicho sorrateiro, arisco, que não aceita vir até nós só porque nós estamos chamando. Ele aparece quando quer, e se for forçado ele foge sem a gente perceber! E o amor não é um produto que se compre na feira, numa loja de conveniência, na internet, no shopping center... e não adianta exigir nota fiscal nem qualquer outra garantia.

O amor não tem prazo de validade!

*

Créditos da imagem: Site olharees - fotografia online
Paralelos..........., por Johnny Monteiro.

Um comentário:

  1. Muito bom, Marcelo. Não fosse a nossa formação cristã e as relações sociais baseadas na posse das coisas (que inclui as pessoas) a gente estaria nesse paraíso aí , sem medo de ser feliz. A moral cristã é que provocou o atavismo a que você se referiu lá no início (no meu entendimento). Ainda a civilização chegará lá, parece que já estamos caminhando para isso (lenta mas inexoravelmente). abraços. paz e bem.

    ResponderExcluir