Novidades

Adeus, Rabi!


Conto, por Marcelo Sousa.

Ele tocou minha mão naquela noite, e chorou. Todos sabíamos que estávamos vivendo os últimos dias. Eu disse a ele, Rabi, ainda podemos fugir, ensinar a outros, formar um exército, precisamos resistir! Mas ele não me respondeu. Os outros esperavam palavras de ordem, de espada em punho, mas nada aconteceu. Apenas olhou-nos, como quem vê muitos caminhos, e deu a bênção.

O pão tremia em suas mãos. Derramamos o vinho, cantamos nossa dor e nossa frustração. Horas tristes, lentas, amarguradas. Aos poucos os homens se retiravam, buscando suas tendas. Ele saiu para caminhar. Sabíamos o que queria. Queria ela. Era assim sempre. Esperava na tenda, armada longe de todas as outras. Fizeram o sexo mais brutal que homem e mulher poderiam fazer com todo o amor que escritor algum poderá descrever neste ou no outro mundo. Por fim beijou-a no ventre e mandou-a embora, levando sua semente.

Os homens estavam agitados. Percebiam dúvidas. Ele passou por nós, descalço, quase flutuando, sem olhar em nossos olhos. Passou entre nós como um pássaro ferido, mas ainda elegante em seu voo dolorido. Sentimos o peso daquela alma. Morrer, partir. Ele decidira. Quando os soldados chegaram, encontraram apenas a nós, pescadores, camponeses, tolos, revoltosos, bandidos. Fomos presos, chicoteados, humilhados. Mas quando o Sol surgiu, uma cruz vazia restava no monte, sem um mártir para dar-lhe um nome.

*

Créditos da imagem: Site olharees - fotografia online
Cruz da Canastra, por Rinaldo Tamarozzi.

Nenhum comentário