Novidades

Sonhemmus et poetemmus




"Nãoéqueapoesiaéosonhodopoetaesimqueopoetaéosonhodetodapoesia"


TESALVEINOMEUPENDRIVE
Formatei
Meu coração

Estava lento
Instável...
Travando constantemente

Tinha muitos Gigabytes
De amores perdidos
E esquecidos

DELETEI!!

Porém
Antes de apagar

Tudo completamente

Te salvei
No meu
Pen drive





DEVASTADOR
Um beijo seu
Arrepio-me


A tempestade do seu olhar
Transborda minh’alma
Sussurra nos meus ouvidos
Gemidos de trovão
Deslizam nas minhas (en)costas
Suas mãos de barreiras

No Atlântico Oceano
Do nosso edredon
Ondas...
Tudo é Pacífico
É guerra
Enquanto abraços tsunâmicos
Sufocam-me


E eu querendo descer
Como enxurrada
Por seu corpo abaixo


Suor, perfume...


E certamente amanhã
Esse amor devastador
Será noticia sensacionalista
Em nossos corações
 


AMAReLINHA



Tu e eu
Vamos jogar
Nas ruas
Da vida

Nosso destino
Foi desenhado
Com giz e tijolo
Nas calçadas do mundo

Haverão dias de céu
E aqueles de pleno inferno
Pra esse último
A gente dá
Nossos pulos

Nesse fácil
Jogo difícil
Só não vale cair
Sair da risca
Pisar nas pedras (do caminho)
Pular a cerca...

Pois
Amar é linha
Viva
E arde


POEMA SOUZA CRUZ 
Sonhei que era o cigarro de Clarice 
Toda vez que ela tragava Minh’alma
Via as palavras brincando em sua boca
Formando versos de fumaça
Seus pulmões eram o Playcenter
Hopi Hari, Happy Air!!
Toda vez que ela soltava-me
Meu espírito voava como poesia ao ar 

Sonhei que era o Cigarro da Lispector (Clarice)

Ela estava sentada
Em sua poltrona na sala
Pensamentos longínquos
Fumaças ao ar

Não havia nenhum passivo fumante
Que pudesse me inalar e estragar
Aquele instante vicioso. Ela e eu, só. 

Sonhei que era o cigarro da Lispector
Eu, entre seus dedos
Morria devagar

Manchado de batom
Definhando aos poucos.

E ela nicotinamente relaxando

Sua brilhante mente
Brilhantemente... 

Sonhei que era o cigarro de Clarice,

Aquela flor de Liz(pector)
Observei-a escrevendo um poema
Um poema sonhador, um poema Souza Cruz
E meus olhos em brasa de mero cigarro aceso. 

Sonhei que era o cigarro de Clarice Lispector
Foram três minutos de ápice
De repente, Morri...

Deixei restos de mim em seu ser
Enfisemas poemas taquicardias poesias

Acordei suado e amando
Pois naquele cinzeiro
Que ela me apagou
Existiam vários “eus” depositados
Que foram extintos em seus lábios...
Caranguejúnior

*
Imagem; divulgação.

Nenhum comentário