Novidades

Sexo delicado



Crônica de Giovana Danaceno.

Nunca tive esta experiência. Jamais precisei tomar uma decisão a respeito. Em nenhum momento estive a beira de cometer tal deslize (?). Mas isso não quer dizer que não seja comum. Aliás, muito comum. O tema é delicado, mas não vou me furtar a usar o verbo claro: trepar com amigo.

Há poucos meses uma amiga me relatou seu drama: se topava ou não uma experiência sexual com um grande amigo, por quem nutria não só alta estima, como também um tesão ardente. Acompanhei a história toda, desde os primeiros jantares, os telefonemas, conversas pelo MSN, a insistência do rapaz e as recusas dela, por medo de estragar a amizade. O mesmo medo de sempre, por sinal, mas sempre vencido pelo desejo irrefreável.

Ela topou, mas o que a salvou foi o próprio moço. Saíram uma vez, trocaram beijos e carinhos. Porém, antes de chegarem aos finalmentes, o cara (neste caso, homem não foge à burrice), amigo do ex dela, achou de se sentir culpado. A amizade se degringolou por ali mesmo, sem sequer experimentarem o que ainda haveria pela frente.

O que me chama a atenção é ter ouvido outra história parecida há alguns dias, só que de um amigo que se dizia interessado por uma super amiga. Disse interessado; não apaixonado. Está a fim de trepar com ela. Apenas isso.

Até onde sei, ainda não rolou, mas o drama é mais comum do que eu pensava, talvez por não fazer parte da minha realidade. Pode ser que este pessoal solteiro e soltinho tenda a se sentir tão carente, que fantasia uma relação de sexo fantástico com uma pessoa de confiança, ou seja, o melhor amigo ou ao menos um grande amigo. Sei lá, posso estar viajando.

Tenho um amigo que por muito tempo não se perdoou por um beijo (!) trocado com a mulher de um grande amigo dele. E não foi uma beijoquinha. Foi beijo de cinema. Batiam um longo papo, que após numerosos copos foi ficando profundo demais, e então, sob forte emoção, os dois se jogaram nos braços um do outro. Ficou por isso, nada mais, e mesmo assim ele levou anos para se livrar de certo incômodo. Hoje os três ainda mantêm a amizade, se frequentam, já têm filhos adolescentes. E penso que ninguém mais soube desta história além de mim.

O fato de eu ter citado dois casos que não derem certo não quer dizer que não valha a pena. Com certeza deve haver muita gente que curtiu esta experiência com resultados memoráveis. Até gostaria de ter acesso a alguns relatos para enriquecer meus arquivos de histórias de pessoas. Com certeza há muita coisa interessante por aí pra ser contada.

*
Crédito da imagem: Olhares.pt

2 comentários:

  1. Como sempre chamando a atenção de todos com seus temas atualíssimos. Muito bom...Bj da Kika

    ResponderExcluir
  2. Giovana, vive acontecendo com uma amiga nossa. Esse foi um dos relatos dela...rss bjss

    Amores de Carnaval

    Quarta-feira de cinzas... Hora de recomeçar, com muitas promessas de melhoria de emprego, dedicação à família, amigos e esquecer, ou não, os amores de Carnaval. Ah, os amores de Carnaval nos remetem a alegria de estar viva, de ser percebida no meio de palhaços, colombinas, batuques, bebidas e muitas, mas muitas mulheres, feias, bonitas e maravilhosas. Ser paquerada num ambiente desses é loteria. Não que a gente não mereça! É porque é muita gente mesmo para competir. São quatro dias para seduzir alguém, talvez para o resto de nossas vidas, ou por uma noite apenas.


    Não é no Carnaval dos grandes blocos ou de Salvador, mas os carnavais das pequenas cidades. Você consegue sim, beijar uma à noite inteira, ano ou vida inteira a mesma pessoa. Agora tem as armadilhas. Por exemplo: beijar o seu amigo. Nessa festa quase profana, isso acontece. A música, a bebida nos leva a ficar, digamos, expostas e aí surgem os “erros” de Carnaval. E confundem a nossa cabeça de uma maneira avassaladora. Não que isso seja de tudo ruim. É só para pensar.


    Amores de Carnaval acontecem esses embaraços. Pode notar que depois feriado, alguns casais se separam e formam outros pares. Se você vai ao mesmo lugar todo ano, vai perceber melhor. Só é estranho quando acontece com você. No primeiro ano casada, no segundo com o novo namorado e no terceiro beijando seu amigo.



    Ah, os amores de Carnaval, Tenho uma amiga que termina antes e volta depois, outra que volta para o namorado nesse período para não ficar sozinha., mais uma que fica com todo mundo e outra que some para fingir que estava com alguém.



    Na verdade, o que se procura, na minha modesta opinião, é encontrar alguém em um período que as pessoas estão mais disponíveis. Diferente de outros feriados. Parece mais fácil apostar e conseguir. Quando acontece é muito bom. Se não acontecer é se preparar para o próximo carnaval. Com os mesmos truques, os mesmos erros e os acertos.



    E depois recomeçar com : melhorias no emprego, ficar com a família, amigos e esquecer, ou não, os casos de ...

    ResponderExcluir