I Concurso Literário Benfazeja
em torno do que amamos: livros e literatura

galado





Conto de Renato Essenfelder.

A menina regurgitou de um fôlego o amontoado de cacos de toda uma vida.

O ventre fecundado estava frágil; pronto havia muito tempo.

As troças na faculdade, a solidão dos bailes, as farpas nas roupas as roucas vozes que cochichavam, irrepresáveis como o conteúdo de seu estômago amargo. O pai desencantado. A mãe frustrada. O Ano Novo solitário. Sozinha, de novo, e: cacos de vidro afiados, cacos escondidos em pedaços de comida, bilhetes, cartas, ancestrais fotografias.

Regurgitou raivosa sobre o retrato, incontrolável. Tinha então quinze anos, forjando pacientemente um sorriso branco por sobre o fundo galado em que projetava suas natimortas, sabemortas, antemortas possibilidades].


Créditos da imagem: Olhares.com

Nenhum comentário