I Concurso Literário Benfazeja
em torno do que amamos: livros e literatura

A Poesia Minimalista de Edweine Loureiro (VI)




Tema: Mundo vasto mundo

ATLAS

Ai, se eu pudesse,
com um simples traço,
fazer uma ponte,
reduzindo os espaços...

Ou aproximar no mapa,
em palmos medidos,
os distantes amigos.



VEREDAS

Deixa o berço do Sertão,
rumo ao sonhado Rio.

Na mala,
poucas roupas,
muitas lembranças...

E no coração,
a esperança
tenta preencher o vazio...



IMIGRANTE

Lembra do lar,
distante…
E segue adiante.


Nota: O poema Imigrante foi premiado no Concurso “Aluísio de Almeida” com o Certificado de Neófito da Ordem (Fevereiro/ 2012).

*

Créditos da imagem: olhares.pt
GlObO =), por Ah-Quy

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Finalmente, sei quem é Edweine Loureiro! Constante frequentador dos finalistas em concursos literários. Desculpe poeta, mas pensei que fosse uma mulher pelo nome e pela excessiva sensibilidade. Pelo amor de Deus, não me julgue com pré-conceitos contra homens ou mulheres, mas que importa isso, né mesmo? Pra mim os poetas são comos os anjos: assexuados. Só sensibilidade entre o céu e a terra voando como Sininhos e seu pó de pirilimpimpim. Beijos e parabéns pelo belíssimo trabalho.

    ResponderExcluir
  5. Ola, Edih Longo. Muito obrigado. Voce nao imagina o quanto me deixou feliz, Poeta. Suas palavras, de fato, foram ao meu coracao. Beijos poeticos, querido, tambem. E Viva a Poesia que nos une, independente de tempo e espaco. Do seu amigo no Japao. Edweine Loureiro

    ResponderExcluir