Novidades

Pássaro Ferido



Poema de Leila Krüger

                É tão triste deixar o que faz parte de nós...
                é tão triste viver de pedaços que faltam
                de momentos que faltam, de sonhos que não voltam
                e de fins de tarde que não entendem.

                É tão triste viver de palavras que ecoam em nuvens
                de olhos que habitam portas
                e de bocas que se perderam para sempre.
                                E viver ausente...

                É tão triste encerrar a alegria nas copas das árvores antigas
                                que um dia abraçaram...
                É tão triste deixar, deixar, deixar o que não se vai.

                É tão triste a gelidez de ir embora, e se despedir do amor como um estranho
                que apenas passava e que não nos amava.

                Eu sentirei falta e frio
                como quem busca o fogo na noite vadia...
                haverá noites de gelar.

                Eu serei outra. Eu serei triste, às vezes
                e recolherei minhas lágrimas
                ainda que não caiam, em mãos de anjos que tentarei afagar.

                Eu sei, irei chorar um pouco mais...
                e serei como pássaro ferido que insiste em voar
                e voarei sempre ao mesmo lugar... infinita saudade.


(Do livro "A Queda da Bastilha", editora Confraria do Vento, 2012)

Compre aqui:
Saraiva: http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/4345453/a-queda-da-bastilha-col-massape/
Cultura: http://www.livrariacultura.com.br/Produto/LIVRO/QUEDA-DA-BASTILHA-A/30737011


*

Créditos da imagem: Olhares.com
Um fim de tarde, por Júnia Menezes

Nenhum comentário