Novidades

Poemas




Poemas de Alessandra Cantero.


1 - cultivo

há que dedicar-se
ao desastre

o milimétrico
cuidado de
sucumbir
à superfície
cabisbaixo
e agradecido

ao pó
ao fio
ao cisco

e seu estrago
catastrófico

submergir
ao átomo

há que perder-se
no artifício

perder
objetivos

e depois
de esbanjar
desproporções
e desencaixes

regressar
louco
amnético

e arte



2 - mulher

encosto a parede
afasto a porta

reforço
o seio q
sustenta
a janela

sem
maçaneta

acendo e abro
o corpo
na tela

com um
pouco
dos cacos

das cores
das costas
do colo

das queixas
dela

*

foto por Nastya Kaletkina

8 comentários:

  1. Alessandra cantero(Alessandra Morales),compartilho contigo ser viciado em letras,como você é também ,e como leitor,aprecio seus poemáticos. Está claro,Alessandra,mesmo sob críticas, que a composição dos seus poemas ,com estilo mais concreto,não fogem às caracteríscas da composição pictórica de formação fonemática, e na busca da concretude ,essas variantes de composição podem esconder ao leitor,o verdadeiro sentido que a inspirou.Li uma crítica,que por essa expectativa que temos de encontrar o “óbvio”da linguagem comum,não reconheceu seu caractere mais primitivo na composição.Vou passar um dos seus poemas,na maneira que eu pude entender melhor sua inspiração,e espero que não me julgue arrogante,nem intencionalmente,de mudar a originalidade do poema,segue

    há que dedicar-se
    “ao desastre”.

    o milimétrico.
    cuidado
    de sucumbir
    em superfície...
    ...cabis/baixo...
    ...agrade/cido...


    fio
    cisco

    um estrago?
    catastrófico

    submergir,emergir
    ao átomo

    um peder-se, fogo
    e artifício

    perder
    objetivos
    depois de esbanjar desproporções
    ...desencaixes...

    e arte
    e regressar
    amnético
    louco.
    dessa maneira ,eu visualizei o seu poema,como o mentalizei,aliás,de uma intencionalidade profunda,gostei,Alessandra

    ResponderExcluir
  2. Alessandra, o segundo poema é homafetivo, não é?

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Caramba!Marina Allem,agora você me mostrou um "insight"erótico no poema,ah!entendi...porta...sem maçaneta,...é,até pode ser.

    ResponderExcluir
  5. O segundo poema é completamente erótico, Mario! Faz parte de uma série de poemas com conteúdo aproximado, rsrs

    ResponderExcluir
  6. É verdade, Ale. A gente pode chamar de homoafetivo se o eu lírico for feminino mas eu acho que não tem nada no poema dizendo isso mesmo. E eu não acho que deva muda nada no outro poema, Mario. Porque poesia não é discursiva, tem que ser lida nas entrelinhas também. Você fez uma leitura do primeiro que diverge da minha. Assim como está permite mais possibilidades, acho eu

    ResponderExcluir
  7. Marina Allem,você fala com razão.Não quiz de forma alguma mexer no poema,mesmo porque esta bem construído.A interpretação é minha,só frisei da forma mal interpretada por uma pessoa que não encontrou o mesmo sentido que eu.Você viu no poema seguinte a sensação de afeto entre mulheres,e eu não.Poesia é assim,quando as palavras assumem ambito de mistério.

    ResponderExcluir